quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Momentos

Há uns anos, o Aquilo Teatro, na Festa do Chichorro

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Momentos

Zé Albino/Cristina/Augusta/José Pereira

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Casas... caídas

Casas... caídas, enjeitadas ao seu fado lúgubre. A vida que delas proveio em contínuas gerações, esvaiu-se. Tornará? Talvez seja uma quimera pensar que sim, mas quem não ousa sonhar com o fervilhar de entusiasmo e impulso nas nossas Terras?!.    

quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Terra Prometida

 A neblina tarda em desvanecer-se. Os olhos esmiúçam o horizonte à cata da Terra Prometida que, acobertada, nos deixa acabrunhados e cismáticos. Desapareceria ela por entre as brumas da memória? Não! Em momento algum te vamos deslembrar... afiançamos... amada... Vila Mendo.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Solstício de Inverno

por Berta Carreira

O frio da beira fez-me gostar do Inverno. Sem Ele não conhecia o sabor e o cheiro da torrada com Planta da casa do meu avô Isidro. Não seria a mesma sem as histórias que ouvi à lareira.
Que conforto chegar a casa, com nariz vermelho e mãos gélidas, e ser aconchegada por um ambiente quentinho. O Inverno dói, mas também aproxima e abraça.
Os ciclos servem para nos mudar. O que seria de nós numa primavera sem fim? Ou num contínuo verão de praia e de noites que se estendem até ser dia?
Aceitemos a beleza de cada estação e desfrutemos do que lhe é inerente. Apliquemos cada ciclo à vida: no inverno podemos estar mais connosco para florir na primavera; no verão lavamos a alma no mar e deitados na areia descansamos e cansamo-nos; e eis que chega o outono para nos renovar, pois todos precisamos de deixar cair folhas.
Por tal, sou inverno, primavera, verão e outono: com frio, chuva ou neve, à lareira ou na rua, no jardim ameno, na praia quente, no pinhal ventoso a recolher pinhas e a gozar as belas passadeiras de folhas no parque. Sou Eu a sorrir e a pedir à Mãe Natureza o que de verdade importa. Falemos com Ela, que nos escuta, mas sejamos humildes e contidos nos pedidos! Cuidemo-la para que não percamos o gozo das Quatro Estações.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Dezembro


por Berta Carreira

dezembro: tempo que é tempo, como janeiro será

Que dezembro seja bondade, dádiva, generosidade, gratidão, simplicidade, sorrisos, ternura e união, mas que a um de janeiro não apaguemos as luzinhas; que a dois de fevereiro não nos esqueçamos da família e dos amigos; que a três de março saibamos enfrentar, com paciência, resiliência e fé, algum obstáculo que possa surgir, como os pais do Menino Jesus; que a quatro de abril sintamos o coração repleto de amor como na noite de consoada; que a cinco de maio saibamos criar e reutilizar, à semelhança do que fazemos com a decoração para a quadra natalícia; que a seis de junho façamos um balanço positivo de nós, tendo a humildade para agradecer aos Outros, como os Reis Magos; que a sete de julho saibamos estar sozinhos (e aconchegados) como numa noite de inverno; que a oito de agosto não nos falte a convivência, a alegria do final de ano, e o descansar inerente ao dia de ano novo; que a nove de setembro não pensemos apenas em dezembro; que a dez de outubro não estejamos aborrecidos pelo frio; que a onze de novembro partilhemos a capa como São Martinho; que a doze, a treze, a catorze, a quinze, a dezasseis, a dezassete, a dezoito, a dezanove, a vinte a vinte e um, a vinte e dois, a vinte e três, a vinte e quatro, a vinte e cinco, a vinte e seis, a vinte e sete, a vinte e oito, a vinte e nove, a trinta e a trinta e um não nos esqueçamos de dizer "Bom dia, Dia", melodiosamente. E que nos meses de menos dias não deixemos o essencial por fazer e por dizer. E que as horas dos mais longos não nos saturem, culminando em desperdícios de tempo.
Sejamos natal em cada nascer do sol. Sejamos luz em cada anoitecer. Iluminados, pelo sol ou pela lua, hora a hora, dia a dia, mês a mês, cumprimos os valores de dezembro. Cada segundo determina o pulsar da existência. Não aos dias contra relógio. Sim aos momentos que nos preenchem independentemente do tempo e da hora e da companhia e do local.
Parece-me que poderíamos viver sem o dia de Natal, mas seriamos uns meros sobreviventes sem os valores tão evocados nesta época. Esperar pelo último mês do ano para a renovação é uma expetativa falaciosa. Afinal não é dezembro que muda o humano - é o humano que tem vindo a mudar o dezembro num louco frenesim que está a contagiar o ano inteiro.
Lautos os que fazem do quotidiano natal. Dezembro é, tão somente, uma oportunidade de renascer entre infinitas que se têm durante o ano. 
O agora é luz, do amanhã nada se sabe.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Instantes

Instantes... serenos; quiescentes como as pessoas que, de soslaio e antes que a vista abranja, se indagam sobre quem se afoita a desassossegar a mercancia que estava apalavrada...

sábado, 30 de novembro de 2019

terça-feira, 26 de novembro de 2019

25 de Novembro- Ten. General Alípio Tomé Pinto

Ismael Soares e Alípio Tomé Pinto
Pertencentes à Companhia 129, foram dos primeiros a ir para a Guerra Colonial em 1961- Angola. Tomé Pinto, ferido várias vezes em combate, ficou conhecido como o Capitão do Quadrado (tem um livro com o mesmo nome) principalmente pela suas estratégias de combate inovadoras e arrojo na Guiné. Não menos importante, a forma profícua como se relacionou e respeitou as populações locais.
No 25 de Novembro de 1975 teve um papel primordial para que o extremismo de esquerda não assaltasse o poder, a democracia tivesse prevalecido e não entrássemos em guerra civil.
Foi general com apenas 45 anos e Comandante-Geral da GNR na década de 80 entre muitos outros cargos distintos. 
O agora Tenente General, regressa regularmente às suas origens em Trás-os-Montes, mais especificamente a Maçores- Torre de Moncorvo, onde mantém actividades ligadas à terra e onde se encontra com ele próprio e com o mundo.
Ismael Soares e Alípio Tomé Pinto personificam as gentes anónimas e heróicas que fazem e consubstanciam a identidade de um povo: vertical, com valores e com futuro. 
Saibamos honrá-los.  

sábado, 23 de novembro de 2019

Entrevista- Acácio Pereira

Reeleito Presidente do Sindicato do SEF, a entrevista do nosso conterrâneo e amigo  Acácio Pereira ao Jornal Interior AQUI , na pretérita semana.

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Jantar- Guarda Futebol Clube

A sociedade de advogados gmp ( Gonçalves, Micaelo Pinheiro & Associados ) vai oferecer um jantar aos elementos do Guarda Futebol Clube, um novo clube da nossa cidade. A Associação apoiará, bem como o Telmo Conde e o Jorge Cavaleiro. Domingo.

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Viver

por Berta Carreira 

Viver é
agradecer
ser grata e contente
por mim e por ti
pela natureza, obra prima,
e por onde estou agora
e gozar cada dia:
de memórias cintilado,
as felizes,
de banalidades feito,
as que importam,
de gestos partilhados,                                                                       
os espontâneos,
de aprendizagens apreendidas
e por saber (tantas),
de sorrisos escondidos e francos.

O Mundo é Plural
não Meu
e a Vida a quem tanto queremos
(e nem nos apercebemos)
é pouco de cada um.

Viver é
arte abstrata
cores de emoção
aventura enérgica
preto e branco
nas batalhas duras
um desafio desafiador
ritmos inconstantes
Constância na luta
e sorriso no olhar
um pulsar curioso
pelo desconhecido
um querer saber
mais
e de todos
numa entrega incondicional
- leve e livre.

Querer saber de mim:
surpreender-me
reinventar-me,
rir do erro
permitir loucuras
corrigir-me a brincar
trabalhar e progredir
descobrir virtudes
aplaudir
Conhecer-me o bastante
para confiar
e (me) amar
serena mente.

Viver não é
viver sente-se.
Berta Carreira

E o bater do meu coração sustenta o ritmo das coisas.
Sophia de Mello Breyner Andresen

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Momentos

Pedro; Cavaleiro; Ângelo; Júlio; Bruno; Carlos; Zé Luís; Luís Filipe
À conquista do Castelo de Almourol!


segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Repasto


 Congregados, os comensais deleitam-se com os bácoros que, um par de horas antes, ainda ronquejavam por terras Cantanhedenses. Bem-haja ao Hugo (3º a partir da direita) pela predisposição e amizade com que nos mimoseou. Se bem comidos, melhor bebidos!.. 

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Vidas

É vê-la num afã quase que extasiante para refrear a impetuosidade dos dois cães (mais acostumados a lançar boca a uma lebre ou codorniz...) que providencialmente atados com duas guitas corriqueiras, se debatem para o livramento de tais amarras, até para eles incomuns. E grita e ameaça-os que não volta a trazê-los à rua... para passado pouco se debruçar sobre eles e os festejar... para passado pouco voltar a vociferar alto e bom som, num ciclo que parece não findar. Atrás, as cabras e as ovelhas; seguem-na, quase que indiferentes, como se fossem espectadoras assíduas de um espectáculo costumeiro, já habituadas aos desmandes de tais artistas.
-Oh Maria, olha que as tuas cabras andaram outra vez no meu lameiro!
-Coitadinhas, estavam com tanta fome. - responde, lesta e com olhar tão cândido que inibe qualquer reacção mais intempestiva de quem quer que seja.
- E os cães Maria? Presos com esses baraços?
- ... Senão fogem-me. Psiu, quetos... - irrequietos, puxam-na uma e outra vez e lá vai ela, quase que arrastada...
- Cabras dum raio! Pr`a cá... olha que... - e afasta-se a praguejar, indecisa de deixar os cães para ir atrás das cabras que, fartas do alarde, trepam as paredes aventurando-se num terreno verdejante, certas de que, com o avanço tido, podem começar a matar a larica...

É a Maria "do Tróia".

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Tortulhos

Tempo de Tortulhos. Uma forma simples e saborosa de os degustar é assá- los, deitando-lhe somente uma pitada de sal. 


sábado, 2 de novembro de 2019

Melhoramentos

 Piso novo do Regato à Balsa (casa branca)

 da Estrada Antiga até ao Zé Albino
da Avenida Motard até ao cruzamento do Ordonho

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Lareira- panela de ferro

 Caiem respingos de chuva mansa e logo a lareira é desígnio para amornar o corpo e a mente que, entristecidos pelo tempo, se enjeitam a grandes jornas... chance para atafulhar aturadamente a panela de ferro (ciosa para mimosear os lembrados). Não é esta, decerto, labuta de grande monta para quem a larica e a vontade de se repimpar em aprazível festim, fala mais alto que qualquer maleita ou sornice própria dos dias insossos.    


segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Momentos

Pequenos e graúdos; cada qual entretido nos seus afazeres...

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Cortadores


Cortadores de presunto... trabalho em equipa!..
Victor Soares/ Júlio Pissarra
Lourinhã

quarta-feira, 23 de outubro de 2019